Antropofagia

Sabe, eu queria comer você. Não num sexo vulgar. Eu queria realmente devorar-te. Morder sua carne. Sentir sua maciez entre meus dentes. Eu queria afundar minha boca aberta em teu corpo. Deixar esvair-se o sangue, enquanto tento alcançar teus osso. Serrar teus nervos. Com as unhas separar as veias e as artérias, que por decadente nojo eu não comeria.
Eu quero morder-lhe os órgãos vitais. Crus. Sem tempero ou vergonha. Abrir teu coração com as unhas. Despedaça-lo com as mãos. Sorrir, enquanto teu sangue me mancha a pele e os pedaços de tua carne descem pela minha garganta.
Então, sentada no chão, eu me veria ensanguentada. Sentada sobre os teus restos, ossos e pedaços espalhados de carne. Ai eu juntaria esses pedaços que eu não consegui comer, para cozinhá-los. Eu os colocaria numa grande panela com bastante água. Lavaria o sangue e temperaria. Eu faria um colar de teus ossos limpos. E o quanto a tua carne cozinha, seria o jantar. Com vinho e batatas.

7 comentários:

Sr. Reticente disse...

M.E.D.O

Poeta de Boteco disse...

Sabe, isso saiu tão naturalmente. Num momento de até certa paz...
Pelo menos até hoje minhas tendências psicopatas se restringem às palavras que escrevo. Até hoje.

Evelyn Jude disse...

Canibalismo selvagem..Adorei, até psicopata..


Arquivos de Evelyn

Nicolas disse...

Com vinho, sempre fica melhor. Esse é um dos textos mais sensacionais que você já escreveu. Um dos mais sensacionais que eu já li pelos blogs, na verdade. Não entendi porque os outros leitores ficaram com medo, eu achei muito, muito, muito sexy.

Nicolas disse...

obs: Hellena é minha. Minha. Fique com a Alessandra.

Leon K. Nunes disse...

Passional até o estômago...

Suzi disse...

D.O.E.N.T.I.O -qq
b l o g