para aquela que eu costumava chamar de minha menina

Às vezes eu sinto sua falta.
E nessas horas tenho vontade de te ligar.
Eu provavelmente perguntaria, meio sem graça, como você está. E já imagino sua resposta impaciente. Eu faria mais uma ou duas perguntas e você inventaria uma desculpa para desligar. Não nos falaríamos novamente.
Às vezes eu penso por que você foi embora. Você não precisava ter ido...

É mentira.
Não sinto vontade de te ligar.
Nem penso em por que você foi embora.
Estava lendo uns textos antigos e pensei nisso agora.
Mas acho mesmo que você não precisava ter ido.

2 comentários:

Mariane Lobo disse...

Confie no Tempo ("aquele que realmente transforma tudo", como disse Gilberto Gil há alguns anos atrás).
Ele marca a todos nós com esse T maiúsculo gigante, com esse "p" que tem o som de um abafado - mas poderoso - tapa na cara.
(suspiro)
O Tempo sabe o ritmo das coisas, sabe os caminhos, seus desvios e encontros.
E eu sei que te vejo por aí.

Laisa Ferreira disse...

Não imaginava que alguém ainda lesse isso. Nem eu mesma leio, rsrs.

Não desconfio do tempo (ou Tempo, como preferir). Mas o que está feito está feito e o que virá não sabemos.

Não duvido que um dia nos encontremos, mas não posso dizer que anseio por esse dia. As magoas já se foram, mas o que um dia nos uniu já não existe mais. Você mesma o disse.

De qualquer sorte, espero que esteja bem. Desejo como uma pessoa que quer se coração limpo deseja a outra pessoa que um dia lhe fez tão bem.

Boa sorte na vida!
Para nós...