Quero colo,

Ah! Eu quero colo
Quero colo sim, tipo surpresa
Quero só ter alguém sempre a mesa
Que me olhe nos olhos e sinta
Sinta que eu quero colo
De alguém que me chame
Me chame de amigo

Que me envolva e não reclame um sentido
Pra loucura, pra loucura que é a gente se amar
Eu quero colo pra que eu possa ficar feito um menino
Pra esquecer que existe a dor como destino
Do amor que nasce e morre
Porque é assim que deve ser

Eu quero colo,
que me acolha e me afogue feito um sonho
Que perceba que eu quero e o que eu proponho
É uma vida ou um momento pra viver

2 comentários:

Leon K. Nunes disse...

Belo poema. Será que há alguma condição existencial oculta que nos leva sempre a querer algo com tanta intensidade e não ter, quando para outros é oferecida em demasia (e cuja oferta é constantemente ignorada)? Eu não duvido; mas ainda assim, acho que há algo de injusto nisso. Talvez um dia tenhamos a resposta exata.

Y. Abayomi disse...

Há algum tempo venho acompanhando o seu blog, embora nem sempre faça comentários a suas postagens. Eu gosto dele, por isso indiquei você lá no meu e te dei um selo. Vai lá ver :)